42c932232af6b77bb6727540a315fd56À comunidade CApiana,

 

Nesta semana nossa escola completa 71 anos e vamos comemorar nossa história de luta por uma educação pública, gratuita, de qualidade e socialmente referenciada.
 
Programação de atividades:
 
20/05 
- 9h - Atividade de inauguração da casa de recicláveis do projeto Recicla CAp com a participação de alunos representantes de turma e funcionários.

- 11h50 - Aula Inaugural "Paisagens de Nise: Ciência, Arte e Política em tempos de urgência" com a profa. Dra. Ana Lúcia Souto Maior - Pesquisadora da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da Fiocruz e professora Titular do Colégio de Aplicação. 

- Comemorações durante os recreios do turno da manhã e da tarde.  
 
24/05 
- 10h - Inauguração da placa em Homenagem ao professor Luiz Alves de Matos, primeiro diretor do CAp.


CONVITE 71


                                                  logo cap fundo branco

MINERVA 200

 

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) identificou na quinta-feira (2/5) que o Governo Federal bloqueou 41% das verbas destinadas à manutenção da instituição. A obstrução orçamentária, de R$ 114 milhões para manutenção e outras rubricas, impactará no funcionamento da UFRJ, atingindo diretamente despesas ordinárias de custeio, como consumo de água, energia elétrica, contratos de prestação de serviços de limpeza e segurança. Já o bloqueio de recursos para investimentos impede o desenvolvimento de obras e compra de equipamentos utilizados em instalações como laboratórios e hospitais.

A Reitoria alerta que a não reversão da medida trará graves consequências para o desempenho das atividades da UFRJ, comprometendo a rotina de atividades acadêmicas antes do segundo semestre. Há cinco anos, a Universidade vem sofrendo cortes e contingenciamentos sem reposição. Em valores corrigidos, a diferença entre o orçamento de 2014 e o de 2019 é superior a R$200 milhões.

Os valores aqui citados são referentes ao orçamento definido pela Lei Orçamentária Anual e créditos suplementares. Devido aos cortes, a UFRJ opera em déficit de aproximadamente R$ 170 milhões. 

Nos últimos anos, a Reitoria implementou um amplo programa para redução de despesas, visando à melhor gestão dos recursos frente aos cortes de orçamento. Foram reduzidas em mais de 30%, nos últimos dois anos, as despesas com serviços de segurança, limpeza, combustíveis e manutenção de veículos, entre outras. Para aumentar a arrecadação própria, a Universidade revisou contratos de aluguéis e permissionários instalados nos campi, entre mais ações para enfrentar o cenário de déficit.

Em relação aos cortes anunciados nesta semana, a UFRJ buscará interlocução com o Governo Federal e o Congresso Nacional, com objetivo de impedir a interrupção ou comprometimento de atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária na graduação, pós-graduação, Colégio de Aplicação, educação infantil e unidades de atendimento hospitalar.

A Universidade Federal do Rio de Janeiro 

Prestes a completar 100 anos em 2020, a UFRJ é a maior universidade federal do país. Presença registrada nas cinco melhores posições nos mais diversos rankings acadêmicos na América Latina, a instituição conta com 266 cursos/habilitações de graduação, 130 cursos de mestrados acadêmico e profissional e 94 cursos de doutorado. Segundo o Ranking Universitário Folha 2018, a Universidade é a mais inovadora do país, o que também se deve à sua pluralidade: seu corpo social é composto por 67 mil estudantes, mais de 4 mil docentes e 9 mil servidores técnico-administrativos.

A UFRJ tem estrutura similar à de um município de médio porte, compatível com o seu grau de relevância estratégica para o desenvolvimento do país. Quarta instituição que mais produz ciência no Brasil, possui dois campi em outras cidades do Rio de Janeiro: um em Macaé, no interior do estado, e um em Duque de Caxias. Com projetos de ponta nas áreas científica e cultural, a antiga Universidade do Brasil tem sob seu escopo nove hospitais universitários, 13 museus, 1.200 laboratórios, 45 bibliotecas e um Parque Tecnológico de 350 mil metros quadrados com empresas de protagonismo nacional e internacional.

Reitoria da UFRJ

3/5/2019

Fonte: www.ufrj.br

 

Veja abaixo a nova programação do dia 25 de Maio

Foi dada a partida para o Projeto Em Trânsito nos Museus! Se liguem nas datas. Aberto a estudantes, familiares e amigxs. Confira abaixo a programação detalhada com horário de cada grupo e turma correspondente:

 

327153BB 3AEA 4C48 A2A1 D81B5B1E5A8B


 Folders ETM EFII 1 1

 


 Folders ETM EFII 1 2

 


 Folders ETM EFII 1 3

  

8º Territórios CApianos A atividade Mineradora e Seus Impactos Frente

8º Territórios CApianos A atividade Mineradora e Seus Impactos Verso

 

O PROJETO TERRITÓRIOS E O ESPÍRITO CAPIANO

O Territórios CApianos é um projeto institucional desenvolvido pelo Setor Curricular de Geografia que busca contribuir para que o Colégio de Aplicação da UFRJ seja um espaço de diálogo e interação interdisciplinar educativo, cultural e científico com outros setores da sociedade. Com mesas redondas a cada semestre letivo, o projeto pretende fomentar, continuamente, a reflexão e a construção de uma visão crítica sobre a cidadania nos estudantes, professores e demais profissionais ligados ao Ensino Médio e Fundamental do CAp e de outras escolas públicas e privadas do estado do Rio de Janeiro.

SOBRE A 8ª EDIÇÃO DO PROJETO TERRITÓRIOS CAPIANOS

A mineração é tida como uma atividade de utilidade pública e de forte interesse nacional, sendo parte indissociável da formação social e territorial do país. Além disso, este setor tem sido fundamental para o equilíbrio da balança comercial brasileira já há algumas décadas.

Entretanto, os recentes rompimentos de barragens nos municípios de Mariana (2015) e Brumadinho (2019) colocaram em questão a atividade mineradora no Brasil. Diferentes dimensões ligadas ao tema ganharam maior visibilidade: a dependência de exportação de matérias-primas; a baixa qualificação da mão de obra local; as ameaças às demarcações de terras indígenas e quilombolas e outros aspectos socioambientais tornaram-se pautas relevantes no debate público. 

Diante deste contexto, o 8º Territórios CApianos pretende aprofundar as discussões acerca dos impactos socioambientais da mineração, bem como repensar práticas sustentáveis e democráticas desta atividade no país.

 

                                                           PROGRAMA DA MESA-REDONDA

08:30h às 09:00hCredenciamento.

9:00h – Abertura.

09:10h às 09:40h – Luiz Jardim de Moraes Wanderley é docente do Departamento de Geografia da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ-FFP. Doutor em Geografia e possui atuação e pesquisa nos seguintes temas: mineração, garimpo, organização socioespacial da Amazônia, população tradicionais, conflitos e impactos territoriais-ambientais.

09:40h às 10:10h – Carlos Alberto Lucio Bittencourt Filho possui graduação em história pela Universidade Federal Fluminense (2008). Entre 2010 e 2015 atuou como pesquisador do Ibase - Instituto Brasileiro de Análise Social e Econômica, coordenando o projeto Observatório do Pré-sal e da Indústria Extrativa Mineral. Atualmente cursa o doutorado no CPDA/UFRRJ.

10:10h às 10:40h – Maíra Sertã Mansur é doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É membro da Articulação Internacional das Atingidas e Atingidos pela Vale (AIAAV) e faz parte dos grupos de pesquisa e extensão Política, Economia, Mineração, Ambiente e Sociedade (PoEMAS).

10:40h às 12:30h – Debates e encerramento.

Mediação: Sarah Almeida de Oliveira (Doutoranda em Geografia pela UFRJ e docente do Setor Curricular de Geografia do CAp/UFRJ).

 

 

alunos site

 

O Colégio de Aplicação é um órgão suplementar do Centro de Filosofia e Ciências Humanas - CFCH e a unidade de Ensino Fundamental e Médio da UFRJ. Desempenha a sua função acadêmica e institucional ancorada nos preceitos de ensino, pesquisa e extensão. No que se refere à formação de professores, o CAp vem contribuindo para a formação inicial a partir do trabalho pedagógico dos alunos da graduação da UFRJ e de instituições federais conveniadas, assim como a formação continuada mediante a atuação conjunta com a Faculdade de Educação. 

Nas últimas três décadas, como escola de educação aplicada, o CAp agregou ao seu projeto político-pedagógico os projetos de pesquisa e extensão que têm como objetivos a produção de materiais didáticos, metodologias, práticas pedagógicas e, sobretudo, formação de professores. Os projetos contam com a participação de bolsistas de Iniciação Científica, de Extensão e de Iniciação Artística e Cultural, sob a orientação do corpo docente. A qualidade de ensino do CAp tem atraído pesquisadores externos para desenvolverem pesquisas na área de educação.

Alunos da educação básica do CAp, em particular do Ensino Médio, têm oportunidade de participar de programas de Iniciação Científica realizando estágios em outras unidades da UFRJ e na FIOCRUZ, bem como de apresentar seus trabalhos em jornadas e congressos científicos.

Em 2018 comemoramos os 70 anos do Colégio de Aplicação da UFRJ. São muitos anos tecidos pelo trabalho de cada servidor docente e técnico, de cada estudante e familiar que por aqui passou. Toda essa construção coletiva fez do CAp-UFRJ uma escola, além de pública e gratuita, laica, de qualidade e socialmente referenciada.

banner2 II

    

cap300x alunos 300x

cropped logo peq 250

 

Setores curriculares

 

artes cênicas 1 artes visuais 2 biologia 2 desenho geométrico 1 educação física 1
 espanhol3  filosofia 1  física2  francês2  geografia 1
 história 1  inglês 2  língua portuguesa 1  matemática 2  multidisciplinar 2
 música 2  química 2  sociologia 2  soe 3  

 

 

UFRJ CAp - Colégio de Aplicação da UFRJ
Desenvolvido por: TIC/UFRJ